2008-04-29

Palavras desgovernadas

A Aorta lançou-me um desafio, que era associar pensamentos a palavras. Parece que também era possível associar imagens, mas não abusemos, ok?

Família – Instituição que congrega elementos com algo em comum, desde o sangue à preferência clubística
Homem – espécie que habita, em números assustadores, o planeta Terra
Mulher – a salvação e a perdição da espécie anterior
Sorriso – contracção muscular que pode levar a muita coisa

Perfume – consta que anda por aí um rafeiro assim
Carro – utensílio que dispenso sempre que posso
Paixão – muitas vezes desencadeado por um sorriso, tende a ser confundido com o amor. É quase como comparar um fósforo a um lança-chamas...
Amor – este desafio é um bocado lamechas ou é só impressão minha?
Olhos – janelas para o mundo. Sim, fui contagiado pela lamechice...

Sal – quando falam em sal lembro-me sempre do ciúme. O primeiro deve ser usado na comida como o segundo numa relação, a ausência tira o interesse, o excesso estraga. Profunda, esta...
Chuva – na cara, desde que não descambe em granizo
Mar – uma atracção inexplicável, talvez explicada pelos antecedentes históricos.

Livro – se eu fosse cagão diria o meu, como não sou indico “O nome da Rosa”, livro que deu uma grande machadada nas minhas convicções religiosas
Filmes – acção, com alguma dose de humor e glândulas mamárias à mistura. E, claro, o Senhor dos Anéis...
Músicas – Queen, acima de tudo. Nunca perdoarei ao Freddy o facto de ter morrido...

Dinheiro – ah, o vil metal. Diria que o desprezo, mas continuo a jogar no Euromilhões
Silêncio – que se vai cantar o fado
Solidão – no meio duma multidão, a mais assustadora que existe

Flor – Cactos. Daqueles grandes e machos
Sonhos – Ganhar o Euromilhões

Cidade - Praga
País – Portugal, com algumas alterações ao nível da fauna que por cá anda. E por fauna refiro-me aos animais de duas patas...

Não viver sem – respirar. Parece que é difícil...
Nunca deixar de ser – verdadeiro, quer gostem ou não

Qualidades – a minha modéstia, inteligência e beleza não me permitem falar sobre este ponto
Defeitos – a minha modéstia, inteligência e beleza também não me permitem falar deste ponto

Gostos – não se discutem
Detesto – desafios compridos. Se este tiver mais 3 perguntas que seja...

Não passarei – sinais vermelhos, tenho muito amor ao pêlo
Pessoa – apelido de um escritor que ainda não consegui digerir. Digerir no sentido de o compreender, nada de canibalismos!

Não passo a ninguém, só para ver se me acontece alguma coisa...

11 comments:

Pinguim Alegre said...

Rafeiro...

ainda estou a pensar naquela do Sal... Estiveste muito bem, quase a roçar no génio.

um grande abraço

aorta said...

A do Sal é profunda... quase a razar a lamechice.

:)

Teté said...

Pois olha, essa tua noção de família tem algumas excepções: aqui eu e o jóve somos benfiquistas, o rapaz ateimou em nascer verde...

Mas tiraste a licença sabática para responder a desafios??? :)))

Vá, espero que esteja tudo bem aí pela vossas bandas!

Beijocas!

FERNANDA & POEMAS said...

Olá querido Amigo, gostei das respostas a tanta pergunta... Eu não tenho paciência para isso...
Sou como sou e a mais não sou obrigada... Indiferente não sou,
Amiga do coração de quem eu gosto, sou 100%.
Amigo, bom feriado... Beijinhos de carinho,
Fernandinha

C Valente said...

Muito bem
Saudações amigas e boa semana de trabalho

Anonymous said...

Olá! ;)

Temos o "sonho" em comum.

Não jogues esta semana porque vou ser eu a ganhar! (amiguinha. Mas não tão amiguinha como podes pensar: o prémio é todo só para mim) :p

Jose Martins said...

Obrigado pelo seu comentário. De Bangkok Viroso deseja-lhe um óptimo dia.

Nogs said...

He, he, he!

Depois de ler as tuas respostas deparei-me com um facto flagrante... eu sou mesmo lamechas! Só dei respostas de lamechice. E tu és um tolo do 'caraças'!

Gostei da resposta à definição de mulher!:)
No entanto, nos dias que correm cada vez acontece menos assim, meu caro... Hi, hi! (ok, a parte da salvação ainda vai acontecendo:P)

Amor... Yap, é mesmo. E vê lá que eu coloquei imagens e tudo!
As lágrimas também são salgadas, rAfeirinho... cairam-me umas quantas ao ler a tua resposta tão inspirada para definir o sal:P


Beijocas e mais uns ahahahahah's, porque tens mesmo piada!

Iveta said...

Eu nunca tinha achado grande piada ao desafios, mas este blog muda a minha concepcao da "coisa"...

Gostei muito.
mas Praga!?... eu e Praga nao nos entendemos muito bem, no entanto reconheco que é uma cidade linda!!!

beijos

Rafeiro Perfumado said...

Pinguim Alegre, tenho momentos assim, especialmente quando recebo pancadas fortes na cabeça. Abraço!

Aorta, pelo menos com uns vinte oito metros de profundidade! ;)

Teté, isso só demonstra falta de porrada no rebento. Havia de ser comigo, era as malas à porta de casa num instante! Beijocas!

Fernanda & Poemas, apesar do tempo que isto ocupa, acho uma certa piada, e sempre serve de exercício para a imaginação. Beijoca!

C Valente, um grande abraço para ti!

Rafeiro Perfumado said...

Anonymous, espero que tenhas tido sorte, porque eu nem vê-lo...

José Martins, nada a agradecer, um grande abraço para ti!

Nogs, eu sei que a definição era profunda, mas se soubesse que causaria lágrimas não a teria colocado, pá. E o vosso mal é que para nos salvarem obrigam-nos a perder-nos. Beijo!

Iveta, Praga para mim é a cidade mais linda que conheço, e olha que já vou conhecendo algumas. Tem uma atmosfera diferente, seja de dia seja à noite. Beijocas!